Sectores Económicos PDF Versão para impressão Enviar por E-mail

A agricultura terá sido o principal meio de vida desta localidade, apesar de hoje haver quem se dedique a esta actividade, nas horas vagas e como meio de subsistência.

No entanto, há outras actividades económicas que ao longo dos tempos se foram desenvolvendo, nomeadamente a indústria da transformação da pedra, do barro vermelho, do barro branco, madeiras, moldes, serralharia e outras, assim como o comércio e a restauração.

O barro vermelho, foi e ainda é das industrias mais importantes para a economia da freguesia. Depois de se desenvolver artesanalmente, modernizou-se e hoje a olaria é mecanizada, tal como a indústria de cerâmica de construção, para a produção de telhas (ver história), tijolos e acessórios.

O barro branco foi outra das actividades que se desenvolveu bastante. Devido a esta atividade, muitas das peças de cerâmica decorativa que se encontram pelo mundo fora, foram produzidas nesta freguesia. Iniciou-se com uma fábrica de pratos e tijelas e desenvolveu-se aqui, a partir da década de sessenta do século XX.

A pedra foi outra das atividades que nos últimos anos se desenvolveu com maior intensidade, sendo presentemente das insdustrias mais representantivas da freguesia.

Conta-se que o topónimo Pedreiras deriva da muita extração de pedra que se fazia por aqui e do seu fornecimento para a construção do Mosteiro de Santa Maria da Vitória da Batalha, o que não está de todo provado.

No entanto, foi muita pedra das explorações das Pedreiras, para a reconstrução daquele monumento no século XIX e, mais tarde para muitas das construções de edifícios públicas deste país, sobretudo para as Faculdades novas da Universidade de Coimbra, na década de cinquenta do século XX. Nesta actividade há muitas peças, trabalhadas por mãos calejadas de pedreirenses, que são autênticas obras de arte.

Já mais tarde, criaram-se novas atividades industriais, sobretudo de madeiras, serralharia e moldes.

O comércio está também muito desenvolvido nesta freguesia.

  

HISTÓRIA DA TELHA

A palavra "Cerâmica" provém do termo grego KERAMIKÉ, derivação de KERAMOS, que significa argila.

Por Cerâmica entende-se o conjunto de actividades destinadas à obtenção de toda a espécie de objectos, com barros de qualquer tipo, decorados ou não, utilizando-se, para isso, a propriedade que possui a argila de se moldar facilmente no seu estado plástico (barro humedecido) adquirindo dureza à medida que avança a sua secagem, ou, por efeito da cozedura. Sendo uma das actividades mais antigas usada na manufactura de utensílios e produtos que sempre foram utilizados na construção e ornamento de habitações, no armazenamento e transporte de produtos (especialmente géneros alimentícios), etc., calcula-se que o barro vermelho já teria sido explorado no período Neolítico (8.000 anos antes de Cristo).

alt

No fim da Idade da Pedra, iniciou-se a cozedura da argila em fornos, o que revolucionou a utilização da mesma ao conferir-lhe propriedades de resistência que viriam a permitir a sua utilização em projectos mais arrojados, de que são exemplos, segundo nos informa a Bíblia (Génesis XI, 3) a famosa Torre de Babel, a grande muralha da China e a inscrição dos primeiros hieróglifos (a palavra escrita, base de toda a Civilização) em placas de argila. Tendo desenvolvido e aperfeiçoado as técnicas de cerâmica, os romanos impulsionaram a utilização genérica deste material em diversos tipos de construções, difundindo os seus segredos por povos e civilizações ao longo de todo o seu Império. É interessante mencionar que já nessa época muitos fabricantes gravavam nos seus produtos, uma marca distintiva da sua origem.

A cobertura de colmo ou madeira , que cobria a casa primitiva, foi substituída pela de telhas, justapostas e/ou sobrepostas. O invento das telhas atribui-se a Kiniras, rei de Chipre, mas é possível que os Assírios já conhecessem muito antes o seu uso. De facto julga-se que o emprego da telha será quase tão antigo como o do tijolo, mas o avançado estado de ruína em que chegaram até nós os monumentos anteriores à época romana, torna difícil fazer uma ideia exacta do que poderiam ter sido as coberturas e a forma como se aplicavam as telhas.

Uma vez generalizado o uso da telha, e dadas as suas qualidades de resistência e duração, a mesma passou também a ser utilizada como elemento decorativo, aparecendo deste modo também peças acessórias, por vezes pintadas, como cabeças de mulher, flores e folhas, animais, etc., que eram aplicadas como complementos com as telhas de cumeeira, com todas as outras já existentes e com as que foram depois aparecendo, de diversas formas e dimensões. Os romanos utilizavam duas espécies de telhas.

Umas, as "Tégulae" planas, de forma rectangular, munidas de rebordos laterais nos seus lados mais compridos e tendo em média cerca de 34 a 40 cms de comprimento por 23 a 27 cms de largura. As outras, chamadas "Imbrices" e de secção semi-cilíndrica (como a antiga telha de canudo ou mourisca) eram utilizadas para recobrir as juntas deixadas pelas "Tégulae". O uso das telhas romanas mantém-se muito tempo na Europa, tendo sido utilizadas em França até ao Séc. XI, e só posteriormente foi substituída a sua forma rectangular pela trapezoidal, mais adequada à sua função. Mas com o andar dos tempos, foram aparecendo novos tipos de telhas, como a telha dita "Champagne" (Flamenga) e a telha "canudo" ou "canal" (como a mourisca) que se assemelhava à Flamenga cortada em duas. Porém, as telhas romanas continuaram ainda a usar-se até ao Séc. XVIII.

Foi finalmente em 1841 que se verificou a invenção que iria revolucionar a fabricação das telhas, dando-lhes o alto grau de perfeição que hoje possuem. Trata-se do aparecimento das telhas de encaixe, fabricadas mecanicamente, e cuja invenção se deve aos Irmãos Gilardon d´Altkirche, franceses, da Alsácia. E foi assim, embora inicialmente apenas se fabricassem telhas planas e de encaixe, que posteriormente apareceram as telhas Marselha e Romana, e ainda mais tarde, uma outra resultante da junção da "Tégulae" com a "Imbrice", conhecida em Portugal por "Telha Lusa" e no Sul da Europa por "Telha Portuguesa".

 

(em atualização)

 


tvdesign.org & RocketTheme